Como chegar aqui:

NEAB

O Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da UDESC vem fazendo um trabalho de excelência no âmbito das pesquisas e projetos de extensão, retornando à comunidade uma bibliografia com perspectivas decoloniais e afrocentradas. O NEAB orgulhosamente apresenta suas publicações e produções científicas, confira nossos livros:



   História da África: Balanços, desafios e perspectivas
   
Sinopse: ). Este livro é fruto da pesquisa O Ensino de História de Áfricas em Santa Catarina: Questões e perspectivas, desenvolvida pelo grupo de estudos Multiculturalismo: Estudos Indígenas, Africanos e da Diásporas, cujo principal objetivo foi mapear a formação dos professores e professoras que lecionam a disciplina de História e Cultura da África e os componentes curriculares aplicados nos cursos de licenciatura e bacharelado em História nas instituições de ensino superior (públicas, comunitárias e particulares) do estado de Santa Catarina tendo em vista a implementação da Lei Federal  10.639/03.



 

 
   Formação de Professores: produção e difusão de conteúdo sobre história e cultura afro-brasileira e africana
   Sinopse: Necessitamos atentar para a formação não equitativa que proporcionamos às nossas crianças, pois o sucesso ou o fracasso destas está implicitamente ligado ao nosso papel e ao nosso olhar. Como bem enfatizado em diferentes capítulos, a escola molda identidades ou estereótipos que impedem o sucesso escolar de determinados grupos, em especial não brancos, ao invisibilizar ou distorcer histórias e culturas, tornando o sujeito de origem europeia o grande heróis e os demais povos e culturas como simplesmente dominados  ‘sem lei, nem rei, nem história?’. Talvez nosso maior desafio seja permitir a nós mesmos e a nossos alunos um olhar mais dinâmico, crítico e plural acerca das experiências dos povos, abrindo mão de nossa formação até então eurocêntrica e monocultural. O mundo vai além da Europa... e de sua autodenominada civilização...



    Introdução aos Estudos Africanos e da Diáspora
    Sinopse: Neste diálogo buscamos expressar que a saída para nossos dramas, nossos sofrimentos, nossas iniquidades, está na capacidade de promover uma esfera pública na qual, inspirados em Nelson Mandela, nos reconheçamos nas nossas diferenças, mas como parte de uma mesma nau, que nossos destinos estão umbilicalmente interligados e, que ninguém, pessoas ou grupos, poderão se libertar sozinhos. Como já disse Madiba, “ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, ou por sua origem, ou sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender,  e se elas aprendem a odiar, podem ser ensinadas a amar, pois o amor chega mais naturalmente ao coração humano do que o seu oposto. A bondade humana é uma chama que pode ser oculta, jamais extinta.”



   Festas, procissões e celebração da morte na Imandade de Nossa  Senhora do rosário e São Benedito dos Homens Pretos em Desterro /SC (1860 a 1890)
  
Sinopse:  
Karla Leandro Rascke enveredou-se por um novo universo. Nele, a cidade de desterro no século XIX, se apresenta com suas ruas, comércios, locais de trabalho, condições de moradia, ou seja, vislumbramos a vida quotidiana das populações de origem africana e, nessa experiência, a “Irmandade dos(as) Pretos(as) do Rosário”






   Bioses Africanas no Brasil: Notas de História Ambiental
   Sinopse: Essa obra interessará aos ambientalistas, agricultores, historiadores, geógrafos, pesquisadores das áreas de ciências biológicas, centros de pesquisa em agropecuária governamentais e não governamentais.  Com afinados modelos interpretativos, os pesquisadores reunidos nesse volume, dominaram um assunto novo – as bioses africanas no Brasil Meridional. Além de pessoas, circularam entre continentes plantas, frutos, animais, insetos e também as doenças. A grande novidade do livro é a discussão entre história e a transplantação de espécies vegetais e animais de origem africana para o território brasileiro.






   Caderno de Histórias das Populações Afro-Brasileiras em Criciúma 
   Sinopse: Para o desenvolvimento de práticas anti-racistas na escola, é necessário que reflitamos um pouco sobre a escola e sua função social. Durante muitos anos, a escola valorizou uma cultura eurocêntrica e patriarcal, desprezando a história, cultura e valores de muitos alunos e alunas. A função social da escola era de reproduzir conhecimentos a serviço de um currículo dominante e sua relação com a sociedade que, por séculos, explorou os povos minoritários. Fica, para nós, refletirmos sobre a omissão, no currículo escolar, das informações acerca da presença e da participação dos negros(as) na história brasileira.





   A luta contra a apatia: Estudo sobre a instituição do movimento negro antirracista na cidade de São Paulo 1915-1931
   Sinopse: Das páginas da fértil imprensa negra paulistana de 1915 a 1931, Paulino de Jesus Cardoso acompanhou tendências e comportamentos de comunidades negras, trazendo um rastreamento de diversas formas de expressões negras na cidade de São Paulo de então, em mestrado defendido em 1993. Ao mapear tensões e relações entre nove títulos de periódicos negros paulistanos com sociedades recreativas e esportivas, territórios livres, festas e romarias cívicas, este estudo projeta a presença negra na metropolização paulistana.





   Fora do Arraial: Hanseníase e instituições asilares em Santa Catarina (1940-1950)
   Sinopse: O trabalho de pesquisa desenvolvido por Débora Mattos apresenta-se, sem dúvida, como um esforço pioneiro para documentar, em Santa Catarina, a emergência das instituições asilares e, entre elas, aquela voltada ao confinamento do portador de hanseníase. Estas instituições se materializaram no contexto das políticas modernizadoras, higienistas e sanitaristas, que começaram a se desenvolver em nosso país desde os finais do século XIX, mas que foram particularmente estimuladas pelos discursos eugenistas-nacionalistas, veiculados nas décadas de 1930 e que conectavam o desenvolvimento do país à saúde de seus cidadãos.




   Os Homens Pretos do Desterro: Um estudo sobre a irmandade de Nossa Senhora do Rosário (1841-1860)   
   
Sinopse: Baseada em um número expressivo de materiais, Claudia Mortari produziu uma visão da cidade de Desterro/Florianópolis, onde os afros estão por toda parte e fazem da rua seu grande território, colaborando, deste modo para apontar marcas da presença africana, repensar a importância da escravidão na organização social e econômica da capital catarinense.








   O Enfrentamento do Racismo e Preconceito no Brasil: A experiência dos NEABs
   Sinopse: O consórcio dos NEABs tem o propósito de promover o fortalecimento de seus constituintes. Tal pretensão só  poderá se concretizar por meio da conformação dos NEABs em instâncias importantes para a formulação, a iniciativas acadêmicas e políticas voltadas para a erradicação do racismo e da discriminação em todos os espaços sociais. Sabemos, no entanto, que esse intento só será alcançado, dentre vários fatores, mas sobretudo, com a institucionalização dos NEABs no âmbito das instituições nas quais estão inseridos.





   Para além do racismo e do antirracismo: A produção de uma Cultura de Consciência Negra na sociedade brasileira
   Sinopse: De um lado o escrutínio de um século de reflexão acadêmica sobre as populações de origem africana: de Nina Rodrigues a Jacques D’Adesky. De outro, uma avaliação de quarenta anos de luta antirracista em nosso país, tendo o Movimento Negro Brasileiro como protagonista. Tudo isto inspirado nas perspectivas pós-coloniais de Homi Bhabha, Paul Gilroy, Edward Said e Kwame Appiah. Trata-se de um estudo de fôlego em que cada capítulo poderia ser uma tese.
 






Você pode adquirir esses livros entrando em contato com nossa equipe de publicações no seguinte e-mail: publicacoesneab.udesc@gmail.com


 

Acesse também nossa produção científica através do link:
-x- Página em construção -x-

 
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED / Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001 / Telefone: (48) 3664-8500
© 2010-2012 SETIC - UDESC